Educar na Diferença

Fórum de Educação Especial
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Portaria n.º 611/93 -N.E.E. no Pré-Escolar

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin - Kyya
Admin
Admin
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 207
Idade : 40
Localisation : Lisboa
Emploi : Prof.Educação Especial
Data de inscrição : 24/04/2007

MensagemAssunto: Portaria n.º 611/93 -N.E.E. no Pré-Escolar   Qua Maio 02, 2007 1:45 am

NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO PRÉ-ESCOLAR


Portaria n.º 611/93, de 29 de Junho



Considerando que se torna necessário fixar as normas técnicas de execução necessárias à aplicação das medidas estabelecidas no Decreto-Lei n.º 319/91, de 23 de Agosto, destinadas a crianças com necessidades educativas especiais que frequentam os jardins-de-infância da rede pública do Ministério da Educação;

Assim e ao abrigo do disposto no artigo 21.º do Decreto-Lei n.º 319/91, de 23 de Agosto:

Manda o Governo, pelo Ministro da Educação, o seguinte:



1.º- As medidas do regime educativo especial constantes das alíneas a), b), d), g), h) e, i) do n.º 2 do artigo 2.º do Decreto-Lei n. º 319/91, de 23 de Agosto, aplicam-se às crianças com necessidades educativas especiais que frequentam os jardins-de-infância da rede pública do Ministério da Educação.



2.º- As medidas referidos no número anterior são de aplicação individualizada, podendo a mesma criança beneficiar de uma ou mais medidas em simultâneo.



3.º- As crianças com necessidades educativas especiais, com idade inferior a cinco anos, têm prioridade na frequência dos jardins-de-infância, depois de salvaguardado o direito constante do n.1 º do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto.



4.º- As crianças com necessidades educativas especiais podem frequentar o jardim-de-infância adequado, independentemente do local da sua residência.



5.º- Para efeitos do número anterior, considera-se jardim-de-infância adequado aquele que, pelas condições de acesso e recursos de apoio pedagógico, facilita a integração de crianças com necessidades educativas especiais.



6.º- Às crianças com necessidades educativas especiais aplica-se o nível etário em vigor para a inscrição no jardim-de-infância.



7.º- Às crianças que beneficiem do disposto no n.º 3.º da presente portaria é assegurada a permanência no jardim-de-infância até ao ingresso no 1.º ciclo do ensino básico.



8.º- Em cada sala onde se encontrem crianças com necessidades educativas especiais deve existir um auxiliar de acção educativa.



9.º- A aplicação das medidas referidas no n.º 1.º da presente portaria obedece aos procedimentos seguintes:



a) Ao educador de infância compete identificar as crianças com necessidades educativas especiais, informando o coordenador de núcleo, o qual promove a reunião do núcleo para análise da situação do aluno e formulação de propostas de actuação a apresentar ao órgão de administração e gestão do estabelecimento;

b) Na reunião do núcleo participa, obrigatoriamente, o professor de educação especial;

c) Os serviços de psicologia e orientação elaboram o plano educativo individual, submetendo-o à aprovação do órgão de administração e gestão do estabelecimento;

d) O plano educativo individual contém os elementos constantes do artigo 15.º do Decreto-Lei n.º 319/91, de 23 de Agosto, com as necessárias adaptações da educação pré-escolar;

e) Sempre que do plano educativo individual deva constar um programa educativo, compete ao professor de educação especial assegurar que o mesmo seja elaborado no prazo fixado pelo coordenador dos serviços de psicologia e orientação;

f) O órgão de administração e gestão do estabelecimento aprecia o plano e programa propostos e deve decidir sobre a aplicação das medidas do regime educativo especial.



10.º- O plano educativo individual das crianças que transitem para outro estabelecimento está sujeito a confirmação do órgão de administração e gestão do novo estabelecimento, mediante parecer dos serviços de psicologia e orientação.



11.º- Os alunos que beneficiem de programas de educação especial durante a frequência da educação pré-escolar devem fazer-se acompanhar do plano educativo individual aquando da sua matrícula no 1.º ciclo do ensino básico.



12.º- O plano educativo individual pode ser substituído por um relatório detalhado, elaborado pelo professor de educação especial, no qual constem os elementos relevantes para a integração escolar, sempre que aquele não tenha sido elaborado ou não se encontre disponível.



13.º- Os alunos abrangidos por programas de educação especial, ainda que não tenham frequentado a educação pré-escolar, ao efectuarem a matrícula no 1.º ciclo do ensino básico, devem juntar um relatório do qual devem constar os elementos relevantes para a integração escolar.



14.º- As crianças com necessidades educativas específicas, resultantes de um atraso médio ou grave a nível do desenvolvimento global, podem ser autorizadas a ingressar no ensino básico um ano mais tarde do que é obrigatório, mediante pedido apresentado pelo respectivo encarregado de educação.



15.º- O requerimento referido no número anterior é dirigido ao director regional de educação e instruído com os seguintes documentos:



a) Declaração de frequência e de aceitação de inscrição no ano lectivo seguinte, emitida pelo director do estabelecimento de ensino;

b) Programa de educação especial;

c) Relatório de avaliação psicopedagógica elaborado por serviços especializados ou especialista da área de educação, credenciados pela direcção regional de educação.



16.º- A requerimento do encarregado de educação, devidamente fundamentado, pode ser autorizada a matrícula, no ensino básico, da criança que revele uma precocidade global que aconselhe o ingresso um ano mais cedo do que é permitido no regime educativo comum.



17.º- O requerimento referido no número anterior é dirigido ao director regional de educação e instruído com o relatório de avaliação psicopedagógica, elaborado por serviços especializados ou especialistas da área de educação, credenciados pela direcção regional de educação, tendo aquele de referir a existência de precocidade excepcional do aluno, a nível do desenvolvimento global.



18.º- O estabelecimento de ensino aceita o pedido, tendo sempre em atenção que a matrícula destes alunos está dependente da existência de vaga.



19.º- Em tudo o que não se encontre expressamente regulamentado pela presente portaria, aplicam-se as normas do Decreto-Lei n.º 319/91, de 23 de Agosto.

_________________
"Educar com Consciência"


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://diferenteseexcepcionais.blogs.sapo.pt
coquinhas
Formador Visitante
Formador Visitante
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 8
Idade : 40
Localisation : Lisboa
Data de inscrição : 07/02/2008

MensagemAssunto: Re: Portaria n.º 611/93 -N.E.E. no Pré-Escolar   Qui Fev 07, 2008 7:51 pm

Foi revogada com o DL 3/2008.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Portaria n.º 611/93 -N.E.E. no Pré-Escolar
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Alcoolímetros - A GNR está a utilizá-los sem respeitar os prazos de controlo metrológico impostos por lei
» Área - (portaria e o saguão)
» QUAL A VALIDADE DOS EXAMES MÉDICOS , 30 OU 90 DIAS?
» Combinatória - (eleição escolar)
» (Escola Naval) Espaçonave

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Educar na Diferença :: Legislação de Educação Especial-
Ir para: