Educar na Diferença

Fórum de Educação Especial
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Novo Decreto-Lei nº3/2008

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin - Kyya
Admin
Admin
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 207
Idade : 40
Localisation : Lisboa
Emploi : Prof.Educação Especial
Data de inscrição : 24/04/2007

MensagemAssunto: Novo Decreto-Lei nº3/2008   Ter Jan 08, 2008 10:37 pm

Finalmente saiu um novo decreto para a Educação Especial.
O "velhinho" Dec-Lei nº 319/91 foi agora revogado e substituido pelo Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de Janeiro de 2008.

Será que é desta vez que a Educação Especial tem a importância há muito devida?

Um Decreto que promete abalar e suscitar mudanças nas escolas e nas práticas dos professores. Pena que para isto seja necessário impôr e ameaçar com Processos Disciplinares.

Mas, realmente já chega de ignorar e empatar as crianças e jovens com Deficiências.

Pela 1ª vez acho que as medidas legisladas estão no caminho certo para a tão desejada inclusão e desenvolvimento pleno das competências sociais das crianças e jovens!


[url]http://www.inr.pt/bibliopac/diplomas/dl_3_2008.htm


[quote]pl
Citação :
O diploma publicado hoje define apoios especializados para alunos com Necessidades Educativas Especiais. As escolas não poderão rejeitar inscrições de alunos devido a incapacidades ou necessidades especiais.

As escolas públicas que não dêem prioridade na matrícula às crianças com necessidades educativas especiais de carácter permanente serão alvo de um processo disciplinar, enquanto as privadas perderão o paralelismo pedagógico e o co-financiamento.

De acordo com um decreto-lei publicado hoje em Diário da República, as escolas de ensino particular e cooperativo que não dêem prioridade a estas crianças no acto da matrícula perdem paralelismo pedagógico e co-financiamento, "qualquer que seja a sua natureza".

Quanto aos estabelecimentos de ensino da rede pública, será aberto um procedimento disciplinar, caso não cumpram o disposto no número 3 do artigo 2. As crianças e jovens com necessidades educativas especiais de carácter permanente gozam de prioridade na matrícula, tendo o direito, nos termos do presente decreto-lei, a frequentar o jardim-de-infância ou a escola nos mesmos termos das restantes crianças", lê-se no referido artigo.

O diploma, que define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos Básico e Secundário no âmbito das necessidades educativas especiais, estabelece ainda que as escolas públicas e privadas com paralelismo pedagógico não podem rejeitar a inscrição de crianças e jovens com base na incapacidade ou nas necessidades educativas especiais que manifestem.

Será ainda elaborado um programa educativo individual para os alunos com necessidades educativas especiais de carácter permanente até 60 dias após a referenciação dos estudantes. Este programa "carece de autorização expressa do encarregado de educação", excepto se este decidir não exercer o seu direito de participação, e deverá ser revisto a qualquer momento e, obrigatoriamente, no final de cada nível de educação e ensino e no fim de cada ciclo do ensino básico.

Dos resultados obtidos por cada aluno com a aplicação das medidas estabelecidas no programa, deve ser elaborado um relatório conjuntamente pelo professor, pelo docente de educação especial, pelo psicólogo e pelos docentes e técnicos que acompanham o desenvolvimento do processo educativo do aluno.

O decreto-lei apresenta ainda as modalidades específicas de educação, como a educação bilingue de alunos surdos, a educação de alunos cegos e com baixa visão, os respectivos objectivos bem como as equipas que os compõem.

No inicio de Setembro, o Ministério da Educação anunciou que a partir deste ano lectivo começavam a funcionar 21 agrupamentos de referência para alunos cegos e com baixa visão e 40 agrupamentos mais 72 escolas de referência no ensino bilingue de alunos surdos.

Foi ainda alargado o número de unidades (salas) especializadas em multideficiência, que serão 163 no apoio a 827 jovens, bem como o número de unidades especializadas em perturbações do espectro do autismo, que a partir do próximo ano lectivo serão 99, abrangendo 494 alunos.

Foi ainda criada uma rede de agrupamentos de escola de referência para a intervenção precoce, que funcionará em 121 agrupamentos com 492 educadores, sendo abrangidas, segundo as estimativas da tutela, 4355 crianças.

Além disso, os agrupamentos passaram a contar com 146 terapeutas ocupacionais, da fala e fisioterapeutas, 65 formadores de língua gestual portuguesa e 58 intérpretes de língua gestual portuguesa, para um total de 269 técnicos de apoio especializado, quando em 2006/2007 estavam disponíveis 153, segundo o secretário de Estado da Educação, Valter Lemos.
http://www.educare.pt/educare

_________________
"Educar com Consciência"


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://diferenteseexcepcionais.blogs.sapo.pt
 
Novo Decreto-Lei nº3/2008
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Feliz natal e prospero ano novo.
» Novo membro chegando!
» Novo documento expõe a estratégia abortista
» Mensagem de ano novo
» Questão do CFSd 2008

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Educar na Diferença :: Legislação de Educação Especial-
Ir para: